Ficha de autora

Judith Teixeira/ Judith de Reis Ramos
Lena de Valois
Escritora, jornalista

Revista Europa: magazine mensal.  Direção e ed. de Judith Teixeira (1925, abril, maio e junho). Facsímile do primeiro número da Revista Europa. Vila do Conde. Verso da História (n.º 1, abril de 1925), cop.2015.

 

Publicações em Jornais e Periódicos:

Contemporânea, Jornal da Europa, Diário de Lisboa, Terras de Portugal, Jornal da Tarde, ABC.

A polícia e as letras – O caso de apreensão de livros e o que nos afirma D. Judith Teixeira (1923, março 6). Diário de Lisboa.

 

Dias-Sancho, J. (1923, março 24). A entrevista desta semana. A poetisa Judith Teixeira fala-nos da sua arte e das suas intenções. Revista Portuguesa Literária, 3.

 

Pereira, P. A. (1923, fevereiro 22). Entrevista [a Judith Teixeira]. A Época.

Sampaio, A. F. (1935). As melhores páginas da poesia feminina (poesia). Lisboa: Livraria Popular Francisco Franco.

 

 

Sanrune, C. (Ed.) (2018). Desnuda. Antologia de poesía sáfica de Judith Teixeira [ed. bilingue]. Madrid: Amistades Particulares.

Caderno manuscrito com poemas de Judith Teixeira – col. privada

Datilografo de Judith Teixeira com a conferência-manifesto “Da Saudade” - col. Privada

Quadra “Não me mandes mais saudades”, escrito na folha de rosto de uma edição de Satânia - Col. Privada

Amiga de: Carlos Porfírio, António Botto, Raul Leal.

Adão, D. M. (2017). Ecos na escuridão. Escritoras Portuguesas. Vozes controladas, silenciadas, ou de outra forma ignoradas. In. F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 169-182). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Almeida, S. J. (2017). Judith Teixeira, símbolo de um novo tempo. In. F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 389-398). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Alonso, C. P. (1994). Imagens do Eu na poesia de Florbela Espanca. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda.

 

Alonso, C. P. (2005). Um caderno com poemas inéditos de Judith Teixeira: apresentação e conclusões preliminares. In C. P. Alonso & F. M. Silva (Orgs.), Judith Teixeira – Poesia e prosa (pp. 205-214). Lisboa: D. Quixote.

 

Alonso, C. P. (2011). Modernist diferences: Judith Teixeira and Florbela Espanca. In J. Pizarro & S. Diz (Eds.), Portuguese modernism: Multiple perspectives in literature and the visual arts (pp. 1-18). Londres: Legenda.

 

Alonso, C. P. (2015). Judith Teixeira: Um caso modernista insólito. In C. P. Alonso & F. M. Silva (Orgs.), Judith Teixeira – Poesia e prosa (pp. 21-38). Lisboa: D. Quixote.

 

Arao, L. & Samyn, H. M. (2017). Lesbianidade e resistência em Judith Teixeira: Uma leitura de A minha amante. In. F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 287-302). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Barbosa, S. (2014). Quem tramou Judith Teixeira. Uma história com fantasmas. Estrema: Revista Interdisciplinas de Humanidades, 4. 

 

Barreira, C. (1991). Universos femininos em Portugal. Retrato da burguesia em Lisboa (1890-1930). Lisboa: Círculo de Leitores.

 

Barros, E. L. S. (2017). Entre dores: Judith e Florbela. In. F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 183-194). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Binet. A. M. (2010). Judith Teixeira (1880-1959) ou le premier modernisme portugais au feminin. In Littératures – voi(es)x de l’autre: poétes femmes XIX – XXI siècles (pp. 139-147). Clermont-Ferrand: Press Universities Blaise Pasal.

 

Binet, A. M. B. (2017). Judith Teixeira (1880-1959) ou o primeiro modernismo português no feminino. In. F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 33-42). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Bonilha, J. (2017). Europa, de Judith Teixeira e o Almanaque das Senhoras (1870-1928): Reflexões sobre mulher e literatura. In. F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 273-286). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Bustos, M. J. F. (2019). "El beso deseado de tu boca". Nombres y vocês para una ginealogía lesbiana (España y Portugal, primeras décadas del siglo veinte). Investigaciones Feministas, 10(1), 79-96. Retirado de https://revistas.ucm.es/index.php/INFE/article/view/61064/4564456551431

 

Caetano, M. (1926, junho/julho). Arte sem moral nenhuma. Ordem Nova, (4-5). 

 

Caetano, M. (1926, junho/julho). Pensamentos, palavras & obras. Ordem Nova, (4-5).

  

Cardoso, P. S. (2017). "Eu queria ser mulher para não ter que pensar na vida". In. F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 369-380). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Carvalho, G. (1998, julho-dezembro). Recensão: Judith Teixeira: Poemas. Revista Colóquio/Letras (149-150), 407.

 

Carvalho, A. F. L., Correia, J. N. & Almeira, R. C. (2018, julho-dezembro). O homoerotismo em obras de Judith Teixeira e Julie Maroh. Revista Dito Efeito, 9(15), 66-82. Retirado de file:///C:/Users/famam/Downloads/9142-34591-1-PB.pdf

                           

Cascais, A. F. (2017). Uma leitura queer da Conferência De Mim de Judith Teixeira. In. F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 85-116). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Chalakova, I. I. (2012). Poéticas da alteridade: Alteridade queer na poesia de Judith Teixeira. (Dissertação de mestrado). Universidade Nova de Lisboa, Lisboa. Retirado de http://hdl.handle.net/10362/8667

 

Curopos, F. (2016). Le cri de Judith Teixeira et le silence de Virgínia Vitorino. In M. G. Besse & M. A. Silva (Orgs.), Femmes oubliées dans les arts et les lettres au Portugal (XIXe-XXe siècle) (pp. 207-218). Paris: Indigo.

 

Curopos, F. (2019). Lisbonne 1919-1939: des années presque folles. Paris: L’Harmattan.

 

Dal Farra, M. L. (2007, janeiro-dezembro). Gilka Machado e Judith Teixeira: O maldito no feminino. Boletim (25), 157-186.

 

Dal Farra, M. L. (2015). Uma poética do boudoir: Judith Teixeira. In. F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 317-330). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Dal Farra, M. L. (2016, janeiro). Recensão Prosa e poesia. Revista Colóquio/Letras (191), 215-218.

 

Diário de Lisboa (1923, fevereiro 16), 2(571). Retirado de http://casacomum.org/cc/visualizador?pasta=05740.004.00850

 

Dumas, C. (2017). De si em Artista, ou o Futurismo segundo Judith Teixeira em De mim. In. F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 133-144). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Dunder, M. (2021). Corpo e insurreição na poesia de Judith Teixeira. Revista Abril. Retirado de http://periodicos.uff.br/revistaabril/article/download/48903/29103/170662

 

Fernandes, A. R. (2004). Breaking with social and literary conventions: Judith Teixeira e Maria Teresa Horta. In M. Jasen & P. Jodão (Eds.), Proceedings of the international conference: The value of literature in and after the seventies. The case of Italy and Portugal (pp. 141-156). Utrecht: Universoteit Utrecht.

 

Fernandes, A. R. (2017). Judith Teixeira, uma poética Queer em Portugal no começo do século XX. In F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 43-54). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

França, J. A. (1979). Notas sobre a contemporânea. Sema, (3), 51-52.

 

França, J. A. (1992). Contemporânea e os anos 20 portugueses. Contemporânea, (10) [ed. fac-similada]. Lisboa: Contexto.

 

 França, J. A. (1992). Os anos vinte em Portugal. Estudos de factos sócio-culturais. Lisboa: Editorial Presença.

 

Garay, R. P. (2000, setembro-outubro). Alguém se recorda deste nome: Judith Teixeira. Artes & Artes¸ (29), 5-7.

 

Garay, R. P. (2001). Sexus sequor: Judite Teixeira e o discurso modernista português. Faces de Eva. Estudos sobre a Mulher, (5), 53-74.

 

Garay, R. P. (2002). Judith Teixeira: O modernismo sáfico português [pref. de Teresa Maria Carrilho]. Lisboa: Universitária Editora.

 

Garay, R. P. (2003). Judith Teixeira, a voz sáfica do primeiro modernismo português. In A. M. Ferreira (Coord.). Percursos de Eros: Representações do erotismo. Aveiro: Universidade de Aveiro.

 

Garay, R. P. & Romero, R. E. (2001). En busca del modernismo sáfico en la poesía portuguesa del siglo XX. In Dossiers feministes 5 – La construcció del cos. Una perspectiva de génere. Seminari d’Investigació Feminista de Universitat Jaume I, Castelló.

 

Gerry, C. (2017). A prosa novelesca e propagandística de Judith Teixeira vista por seu tradutor. In F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 145-168). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Giavara, S. M.  (2011). Entre o bordado e o papel: a poesia portuguesa de autoria feminina no primeiro quartel do século XX. In Anais do Seminário Mulher e Literatura 201 (pp. 1-12). XIV Seminário Nacional e V Seminário Internacional Mulher e Literatura, Brasília. Retirado de http://www.telunb.com.br/mulhereliteratura/anais/wp-content/uploads/2012/01/suilei_monteiro_giavara.pdf

 

Giavara, S. M. (2012). Florbela Espanca e Judith Teixeira: Uma história em letras miúdas. Callipole. Revista de Cultura, 21, 185-198.

 

Giavara, S. M. (2012). Muito prazer, Judith Teixeira! Miscelânea: Revista de Literatura e Vida Social, 11, 81-94. Retirado de  http://www.assis.unesp.br/Home/PosGraduacao/Letras/RevistaMiscelanea/6---suilei-monteiro-giavara.pdf

 

Giavara, S. M. (2013, julho-dezembro). Judith Teixeira e a poética da luxúria. Revista Todas as Musas: Revista de Literatura e das Múltiplas Linguagens da Arte, (1), 187-196. Retirado de https://todasasmusas.com.br/09Suilei_Monteiro.pdf

 

Giavara, S. M. (2014). Entre as rosas e os espinhos: Erotismo e dor em Judith Teixeira. In B. Cieszynska & F. M. Silva (Orgs.), Os estudos de gênero na perspetiva ibero eslava (1ª ed.) (pp. 131-140). Lisboa: Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias. Retirado de http://www.lusosofia.net/textos/20150902-cieszynska_beata_silva_fabio_mario_estudos_de_genero.pdf

 

Giavara, S. M. (2015). A esquecida "Flor do mal" do modernismo português e o episódio da "Literatura de Sodoma". In Anais do Seminário Mulher e Literatura (vol. 1) (pp. 1197-1206). VII Seminário Internacional Mulher e Literatura e XVI Seminário Nacional, Caxias do Sul.

 

Giavara, S. M. (2015). Judith Teixeira e o Modernismo: Quem se lembra? Revista Interdisciplinar: Revista de Estudos em Língua e Literatura, 23, 67-78.

 

Giavara, S. M. (2015). Poéticas interditas: Erotismo, subversão e repúdio em Florbela Espanca (1894-1930) e Judith Teixeira (1880-1959). (Tese de doutoramento). Universidade Estadual Paulista, Assis.

 

Giavara, S. M. (2016). Cartografia do desejo: A representação subversiva do corpo feminino na poesia de Florbela Espanca e Judith Teixeira. Historiae, 7(1), 49-61.

 

Giavara, S. M. (2016). Mas ela só fala de amor. In M. V. O. Nascimento (Org.), Mas ela só fala de amor (vol. 1) (1ª ed.) (pp. 41-48). São Paulo: LiberArs.

 

Giavara, S. M. (2017). Reviver Judith Teixeira. In E. Rodrigues & R. Sousa (Eds.), A dinâmica dos olhares: Cem anos de literatura e cultura em Portugal (vol. 1) (1ª ed.) (pp. 153-160). Lisboa: Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias. Retirado de http://www.lusosofia.net/textos/20180403-a_dinamica_dos_olhares_ernesto_rodrigues_rui_sousa___copiar.pdf

 

Giavara, S. M. & Nascimento, M. V. O. (2013). Mulher, literatura e jornal: Ou o que pensava das mulheres que pensavam. In Anais do Seminário Mulher e Literatura (pp. 773-781). XV Seminário Internacional Mulher e Literatura, Fortaleza. Retirado de http://mulhereliteratura2013.com.br/wp-content/uploads/2015/03/Anais.pdf

 

Giavara, S. M. & Nascimento, M. V. O. (2013). Sob a mira da imprensa: Mulher, literatura e jornal no Portugal dos anos 20. In Anais do XXIV Congresso da ABRAPLIP (pp. 1-12). XXIV Congresso Internacional da Associação Brasileira de Professores de Literatura Portuguesa, Campo Grande. Retirado de http://www.abraplip.org.br/wp-content/uploads/2015/01/AnaisAbraplipXXIVInterUFMS.pdf

 

Goor, I. (2017). A arte como combate – Judith Teixeira. In F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 227-236). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Guimarães, F. (1979, setembro-dezembro). Revistas literárias dos anos 20 e 30.  Sema, (3), 44-46.

 

Jorge, M. & Gaspar, L. M. (1996). Scriptorium. In J. Teixeira, Poemas. Lisboa: &etc.

 

Laguardia, A. M. R. (2017). Judith Teixeira e Tarsila do Amaral: Mulheres modernistas na revista Contemporânea. In F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 67-76). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Leão, I. P. (2017). Judith Teixeira, uma poética hétero e homoerótica. In F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 247-258). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Leite, L. (2017). Judith Teixeira, leitora de Safo?. In A. M. Mendes, A. Sousa & D. B. Carvalho (Orgs.), Anais do III Colóquio Internacional de Literatura e Gênero: Sujeitos de Gênero, Escritos e Outras Linguagens (pp. 373-384). Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Letras e Linguísticas, EDUPFI, Teresinha.

 

Maldonado, F. (1996, dezembro 21). Livros queimados. Revista Expresso, (1260).

 

Mendes, M. C. (2017). Cores ardentes: Imagens decadentistas na poesia de Judith Teixeira. In F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 303-316). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Mendes, E. S. (2020, agosto-dezembro). Judith Teixeira e os fariseus do século XX. RevLet - Revista Virtual de Letras, 12(2), 774-794. Retirado de http://www.revlet.com.br/artigos/610.pdf

 

Moniz, A. M. A. (2017). Ressonâncias clássicas e bíblicas na obra de Judith Teixeira. In F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 117-132). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Monteiro Giavara, S. (2017, setembro). Muito prazer, Judith Teixeira!. Miscelânea: Revista de Literatura e Vida Social, 11, 83-96. Retirado de http://seer.assis.unesp.br/index.php/miscelanea/article/view/637

 

Nascimento, M. V. O. & Oliveira, R. S. (2017). Resistência e subversão na poética de Judith Teixeira. In F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 357-368). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Nunes, M. L. (1996, dezembro 8). Judith Teixeira – a desavergonhada fénix. Jornal de Letras (683).

 

Oliveira, A. (2011). Que o desejo me desça ao corpo – Judith Teixeira e a literatura sáfica (Dissertação de mestrado). Universidade do Porto, Porto.

 

Oliveira, A. (2012, setembro-dezembro). Erotismo inquietante em Satânia, de Judith Teixeira: Uma leitura das relações entre feminino e masculino. e-scrita. Revista do Curso de Letras da UNIABEU, 3(3), 121-130. Retirado de https://revista.uniabeu.edu.br/index.php/RE/article/view/682

 

Oliveira, A. (2013). Judith Teixeira: A boca é o vazio cheio da periferia. Cadernos de Literatura Comparada: Margens & Periferias – perspetivas de inclusão, (29), 245-258. Retirado de https://ilc-cadernos.com/index.php/cadernos/article/view/339

 

Oliveira, A. (2017). Judith Teixeira feminista?. In F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 55-65). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Pedrosa, I. (2017). Judith Teixeira e Maria Teresa Horta: Poéticas do corpo. In F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 215-226). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Perdomo, A.  (2003, junho 22). Una escritora portuguesa vanguardista de los años 20. Metaconstrucción, fictivización, identidad y juegos narcisistas en la obra de Judith de Teixeira. Ciberayllu. Retirado de http://www.andes.missouri.edu/andes/Especiales/APTeixeira/AP_Teixeira_1.html

 

Pereira, J. C. S. (1975). Decadentismo e simbolismo na poesia portuguesa. Coimbra: Centro de Estudos Românicos.

 

Pessoa, F. (1996). Correspondência inédita [Org. e notas de Manuela Parreira da Silva]. Lisboa: Livros Horizonte.

 

Pitta, E. (1997). Dez livros à laia de balanço. Dna, 48.

 

Pitta, E. (1997). O som & o sentido: Cristais da inquietação. Ler (Livros e Leitores), (37), 123.

 

Porfírio, C. (1923, fevereiro 10). Retrato de Mme Judith Teixeira. Ilustração Portuguesa 2(886).

 

Régio, J. (1927, março 10). Literatura Viva. Presença, (1).

 

Rita, A. (2017). Refrações. In F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 77-84). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Rosa, S. (2017). Poesia ou a perturbação da moral. In F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 399-404). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Samyn, H. M. (2017). Resgatar Judith Teixeira. Revista Interfacis, 3(2), 76-79. Retirado de http://facisaead.com.br/ojs/index.php/interfacis/article/view/105

 

Samyn, H. M. (2018). Erotismo lésbico e experiência mística: Uma leitura de perfis decadentes de Judith Teixeira. Criação & Crítica, (20), 108-123. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v0i20p108-123

 

Severino, I. (2017). Judith Teixeira e Florbela Espanca - revisitadas. In F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 237-246). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Severino, I. & Leite, J. (2021). Um corpo todo seu: Judith Teixeira, Florbela Espanca e Maria Teresa Horta. Interdisciplinar. Revista de Estudos da Linguagem, 93-106. Retirado de https://seer.ufs.br/index.php/interdisciplinar/article/view/15691/11736 

 

Silva. C. P. (2021). O erotismo na poesia de Gilka Machado e Judith Teixeira: transformação na poesia de autoria feminina. (Tese de doutoramento). Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Retirado https://www.bdtd.uerj.br:8443/handle/1/16833 

 

Silva, F. M. (2013). Florbela Espanca e Judith Teixeira. O mito das femmes fatales na literatura portuguesa. Guavira Letras, (16), 55-72. Retirado de http://www.pgletras.ufms.br/revistaguavira/downloads/revguavira016.pdf

 

Silva, F. M. (2013). O desassossegado erotismo feminino em Satânia de Judith Teixeira. Anais do XVIII Congresso da ABRALIC Internacional. Associação Brasileira de Literatura Comparada e Universidade Estadual de Paraíba, Campina Grande. Retirado de http://editorarealize.com.br/revistas/abralicinternacional/trabalhos/Completo_Comunicacao_oral_idinscrito_841_6932f34f0b8eb10dab4f91d4380f3da2.pdf

 

Silva, F. M. (2014). A autoria feminina na literatura portuguesa. Reflexões sobre as teorias do cânone. Lisboa: Colibri

 

Silva, F. M. (2014, julho-dezembro). O mito da Medusa e sua relação com a poesia de Judith Teixeira. Revista Todas as Musas, 6(1), 78-88. Retirado de  https://www.todasasmusas.com.br/11Fabio_Mario.pdf

 

Silva, F. M. (2015). Judith Teixeira: Entre o modernismo e o feminismo. In C. P. Alonso & F. M. Silva (Orgs.), Judith Teixeira – Poesia e prosa (pp. 267-278). Lisboa: D. Quixote.

 

Silva, F. M. (2015). O manuscrito Da saudade. In C. P. Alonso & F. M. Silva (Orgs.), Judith Teixeira – Poesia e prosa (pp. 253-254). Lisboa: D. Quixote.

 

Silva, F. M. (2017). A saudade em Judith Teixeira. In F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 267-215). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Silva, F. M. (2017). Nota prévia. In F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 11-16). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Silva, F. M. (2018). O futurismo em Judith Teixeira. In D. V. Maior & A. Rita, 100 Futurismo (pp. 585-592). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Silva, F. M. (2019). As bizarrias da poesia de Judith Teixeira. Iberic@l. Revue d'études ibériques et ibéro-américaines, (15). Retirado de https://iberical.sorbonne-universite.fr/wp-content/uploads/2020/10/Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar..

 

Silva, F. M. (2019). Tal como a poesia é a pintura. Uma leitura de Venere Coricata, de Judith Teixeira. In E. S. Silva & W. J. Lima, Sábados Literários. São Paulo: Todas as Musas.

 

Silva, F. M. (2019). Imagens paisagísticas na obra de Judith Teixeira. Páginas Paisagens LusoBrasileiras em Movimentos. Retirado de http://www.paginasmovimento.com.br/imagens-paisagísticas-na-obra-de-judith-teixeira.html

 

Silva. F. M. (2022- no prelo). A figura desconcertante da mulher de vermelho. Uma leitura do poema “A mulher do vestido encarnado”, de Judith Teixeira. Atlante - Revue d'études romanes.  

 

Silva, F. M. & Vilela, A. L. (2011, janeiro-junho). Homo(lesbo)erotismo e literatura, no Ocidente e em Portugal: Safo e Judith Teixeira. Navegações, 4(1), 69-76.

 

Silva, P. G. (2017). Rubro corpo do ser: Judith Teixeira e o existencialismo erótico. In F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 381-388). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Simões, M. J. (2019). Figurations et fulgurations de la femme dans la ficcion de Judite Teixeira et Olga Gonçalves. In M. C. P. Simon, Marginalités au féinin dans le monde lusophone (pp. 187-200). Paris: Presses Sorbonne Nouvelle.

 

Soares, M. C. (2017). A escrita transgressora de Judith Teixeira. In F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 331-344). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Sousa, M. G (2001). Judith Teixeira: Originalidade poética e descaso literário na década de vinte. (Dissertação de mestrado) Universidade de Aveiro, Aveiro.

 

Sousa, M. G. (2002). Decadência, o primeiro livro de Judith Teixeira. In J. Teixeira, Decadência. Poemas (pp. 3-28). Viseu: Instituto Superior Politécnico de Viseu.

 

Sousa, M. G. (2008). Sofrimento e desejo nas novelas de Satânia (pp. 111-129). In Teixeira, J., Satânia. Novelas (pp. 111-129). Lisboa: Varicelas Edições.

 

Sousa, M. G. (2008). Viseu e Judith Teixeira: O fel & e o corpo. In J. Cruz (Coord.), Livro de Atas do Conngresso Viseu-Congrega (pp. 59-67). Viseu: Avis.

 

Sousa, M. G. (2009).  Judith Teixeira e o lugar: uma “irmã de Shakespeare” no modernismo literário português. Coimbra: Areias do Tempo.

 

Sousa, M. G. (2009). Lesbianismo e interditos em Judith Teixeira. Forma Breve, (7), 47-61.

 

Sousa, M. G. (2014). Judith Teixeira: Lirismo e perturbação nas novelas de Satânia. Forma Breve, 2, 195-214. Retirado de http://revistas.ua.pt/index.php/formabreve/article/viewFile/190/162

 

Sousa, M. G. (2017). Judith Teixeira: o corpo insólito. In F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 345-356). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Sousa, M. G. (2018). Régio e Judith Teixeira: Um encontro, uma voz e uma ‘brasa ardente’ de que alguém se lembrará. In A. M. Ferreira (Coord.), Presença de Régio. Atas do 8º Congresso de Estudos Portugueses. Universidade de Aveiro, Aveiro.

 

Steinmetz, E. R. (2017). Um espaço reservado – o quarto. De portas abertas... em versos de Judith Teixeira. In F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 195-266). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Tavares, V. S. (1996). Prefácio. In J. Teixeira, Poemas. Lisboa: &etc.

 

Teixeira, J. R. (2016). Aquela espécie de mulheres que estão sempre na margem daquilo a que pertencem. O caso de Judith Teixeira. In M. G. Besse & M. A. Silva (Org.), Femmes oubliées dans les arts et les lettres au Portugal [XIXe-XXe siècles] (pp. 187-205). Paris: Indigo & Côté-femmes Editions.

 

Valentim, J. (2013). Safo em Sodoma: A escrita feminina de Judith Teixeira em tempos de Orpheu. Revista do Núcleo de Estudos de Literatura Portuguesa e Africana da UFF, 5(10), 147-164. Retirado de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5616353

 

Valentim, J. (2017). Judith Teixeira, um clássico!. In F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 259-272). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Viana, A. M. C. (1996). Escândalo e ousadia no princípio do século. Ler (Livros & Leitores), (35).

 

Vilela, A. L. (2017). O sexo e o nome. Notas para uma leitura das novelas de Judith Teixeira. In F. M. Silva, A. Rita, M. L. Dal Farra, A. L. Vilela & A. M. Oliveira (Orgs.), Judith Teixeira: Ensaios críticos. No centenário do Modernismo (pp. 17-32). Lisboa: Edições Esgotadas.

 

Saraiva, A. J. & Lopes, O. (2000). História da literatura portuguesa (17ª ed.; p. 1101). Porto: Porto Editora.

Alonso, C. P. (2008). Escritoras do modernismo. In F. C. Martins (Coord.), Dicionário de Fernando Pessoa e do modernismo português (pp. 244-246). Lisboa: Caminho.

 

Barradas, A. (1998). Dicionário incompleto de mulheres rebeldes. Lisboa: Antígona.

 

Coelho, J. P. (Dir.). (1985). Dicionário de literatura (3ª ed.). Porto: Figueirinhas.

 

Dal Farra, M. L. (2008). Judith Teixeira. In F. C. Martins (Coord.), Dicionário de Fernando Pessoa e do modernismo português (pp. 845-846). Lisboa: Caminho.

 

Lisboa, E. (Coord.) (1994). Dicionário cronológico de autores portugueses (vol. 3). Mem Martins: Publicações Europa América.

 

Oliveira, L. (Dir., Ed.) (1999). Nova enciclopédia Larousse. Lisboa: Círculo de Leitores.

 

Pires, D. (1996). Dicionário da imprensa periódica literária portuguesa do século XX. Lisboa: Grifo.

 

Ramos, R. (1994). 1890-1926 (vol. 6). In J. Mattoso (Dir.), História de Portugal. Lisboa: Círculo de Leitores.

 

Silva, F. M. (2013). Judith Teixeira. In J. Esteves, Z. O. Castro (Dir.), I. S. Abreu & M. E. Stone (Coord.), Feminae. Dicionário contemporâneo (pp. 371-373). Lisboa: Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género.

A Ilustração Portuguesa, disponível em:

 

http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/IlustraçãoPort/IlustraçãoPortuguesa.htm

 

 

Contemporânea, disponível em:

 http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/CONTEMPORANEA/Contemporanea.htm

 

 

Diário de Lisboa:

 

http://casacomum.org/cc/diario_de_lisboa/

 

Websites

 

Evropa http://wwweuropa.blogspot.com

 

Congresso Internacional em Homenagem a Judith Teixeira: https://coloquiointernacionaljudithteixeira.blogs.sapo.pt/

Poema

Tradução do poema “Lhuvia” de Rafael Lasso de la Vega publicado como “Chuva” no Diário de Lisboa, n.º 743, 7 de dezembro de 1923.

Poemas de Judith Teixeira foram traduzidos para espanhol e inglês por Maria Teresa Maia Carrilho e Raul O. Romero, revisão de René Garay, e publicados na obra de Garay O Modernismo Sáfico de 2002.

Elementos Biográficos

Judith de Reis Ramos
25 de janeiro de 1880
Viseu
17 de maio de 1959
Lisboa

Filha de Francisco de Reis Ramos e Maria do Carmo. A perfilhação só acontecerá anos mais tarde, a 26 de novembro de 1907, por Francisco dos Reis Ramos, alferes da infantaria, quando a escritora, aos 28 anos, já residia em Lisboa.

Assina textos esparsos no Jornal da Tarde, entre 1918 e 1919,  e Diário de Lisboa, em 1921, sob o pseudónimo Lena de Valois.

Dados de Inventário

Identificação dos inventariantes

Fabio Mario da Silva
Raquel Sabino

logos das entidades apoiantes

 O IELT é financiado por Fundos Nacionais através da FCT - Fundação para a Ciência e Tecnologia no âmbito do projeto UIDB/00657/2020